Veja a dica dos especialistas em medicina do sono para enfrentar o novo horário e evitar a sonolência diurna

Todo ano é a mesma coisa. A primeira semana do horário brasileiro de verão, que inicia à meia-noite de sábado em 11 Estados no Distrito Federal, sempre deixa o organismo um pouco confuso.

Se para alguns acordar uma hora mais cedo é algo tranquilo, para outros, adiantar uma horinha no relógio é uma tarefa complicada.

Para quem está procupado com o sono que certamente será afetado pelo novo horário, o ideal teria sido ir se preparando aos poucos, garantindo um bom descanso ao longo da semana que antecede a mudança.

Quem não conseguiu fazer isso e dispõe de tempo livre, pode tirar um cochilo na tarde de domingo, já com o novo horário em vigor.

A especialista em medicina do sono Aparajitha Verma, diretora do Centro de Distúrbios do Sono do Instituto Neurológico Metodista de Houston (EUA), recomenda apenas evitar a soneca poucas horas antes do horário habitual de ir para a cama, pois isto pode atrapalhar o sono noturno.

Segundo o médico Arnaldo Lichtenstein, do Hospital das Clínicas da FMUSP, unidade ligada à Secretaria de Estado da Saúde, o melhor sono ocorre duas a três horas depois de escurecer, por conta de um hormônio regulador do sono chamado de melatonina. Acionado pela falta de luz, ele é alterado com a mudança de horário.

“Para se adaptar ao novo horário, o ideal é evitar situações estimulantes no final da tarde ou na parte da noite”, afirma, explicando que quanto mais estímulos, maior a dificuldade do organismo em relaxar. Não consumir muito café ou chá preto é outra dica dada pelo médico do HC.

“Exercícios físicos muito extenuantes também devem ser evitados”, observa, citando ainda outras atitudes que podem prejudicar o descanso, tais como se alimentar demais no jantar, ir dormir sem comer, tomar banho muito frio ou muito quente, e ler livros ou ver filmes muito estimulantes nas horas que antecedem o sono”. Lichtenstein lembra que o bom ambiente de sono envolve local silencioso, escuro e arejado, e oriente: siga o horário do relógio.

Ao tentar adaptar-se à mudança de horário, lembre que alguns problemas persistentes podem indicar um transtorno de sono mais grave. Manter-se acordado depois de 30 minutos tentando pegar no sono; ter sonolência diurna excessiva ou acordar cansado mesmo depois de dormir por sete ou oito horas são alguns sinais de que é preciso procurer um especialista em medicina do sono.

 

Fonte: IG

Anúncios